quarta-feira, 20 de abril de 2011

Rua Normandia


Nasci em 1957. Acho que foi na Maternidade do Hospital São Luís, na Av. Santo Amaro. E desde então, até mudar com minha mãe e irmãos para Goiânia, em 1975, morei em um só endereço: Rua Normandia n. 33 – Moema. Era um quarteirão pequeno limitado pela Av. dos Eucaliptos e Alameda Cotovia. Éramos, portanto, vizinhos da fábrica de Q.refresco e chicletes Ploc. Lembro-me que uma vez por mês, funcionários da fábrica passavam de casa em casa distribuindo uma caixa repleta de produtos: chicletes, pirulitos, saquinhos de refresco, etc. De uma certa forma, a Rua Normandia era uma comunidade e os laços de amizade eram mais estreitos quanto mais próximos morávamos uns dos outros e minha infância, pré-adolescência e parte da adolescência passaram-se com a presença dos amigos da rua: Fernandinho, o IOW, o qual o milagre da internet permitiu que nos encontrássemos no espaço cibernético, o Paulinho Leporace (sobrinho do radialista Vicente Leporace e primo da Gracinha Leporace que integrava a banda de Sérgio Mendes), o Eduardo Saliba e irmãos (Vicente, Alexandre, Fauzi e Ana Lúcia), o Caito (filho do comentarista de futebol da Rádio Tupy, José Carlos Ávila Machado que em viagem ao rio de Janeiro, sofreu acidente na Dutra e sua esposa Elizabeth veio a falecer) e os irmãos Rodrigo, Renato e Silvana (linda) e o Toninho. Da Eucaliptos tinha o Sérgio Colela e da Gaivota tinha o Luis Otávio Paternostro, que viria a ser piloto de corridas (sua irmã Helô, casou-se com um da família Losaco e me parece que o filho, também, é piloto). E essa turminha, como toda turminha, fazia das suas: tocar campainha e sair correndo; chamar táxi e se esconder; nos sábados pela manhã, pulávamos a cerca de uma escolinha municipal que tinha por ali, e brincávamos nos balanços, escorregadores e todos os brinquedos que havia; ir para o riozinho (córrego Traição, onde hoje é a Av. dos Bandeirantes) e fabricar barquinhos com a casca do tronco dos eucaliptos e vê-los descer córrego abaixo; atravessávamos para o outro lado para buscar pequenas réguas defeituosas de uma fábrica de “metro” de marceneiro, com as quais construíamos o que viesse na imaginação. Havia uma ponte sobre o córrego por onde passava o bonde e pegávamos pedra e colocávamos no trilho só pra ver o que acontecia quando o bonde passava em cima. Eu e meu irmão Fernando, hoje médico cardiologista, íamos à pé até Congonhas e ficávamos na ala internacional procurando maços vazios de cigarros que os estrangeiros jogavam no chão, para enriquecer nossa coleção de marcas de cigarro. Lembro-me de quando a Rainha Elizabeth II veio a São Paulo para inaugurar o Laboratório Welcome, que ficava entre a Eucaliptos, Cotovia e Av. Sto. Amaro. Hoje, no local, foi construído um conjunto de apartamentos. A diversidade da Rua Normandia era algo interessante, havia médicos, advogados, comandantes de avião, gregos, portugueses, argentinos, mecânicos. Meu vizinho da casa 31, Seu Fernando, trabalhava na Phillips e depois que nos mudamos pra Goiás (minha mãe é goiana de Catalão) soubemos que a filha Patrícia fora assassinada. E na esquina da cotovia com Gaivota tinha a mercearia do Seu Manuel, português, esposo de D. Joaquina, também portuguesa e que depois transformou-se no supermercado São Manoel e mais pra baixo tinha a feira onde minha mãe fazia as compras. Ali pertinho, na Eucaliptos bem próximo da Ibirapuera tinha a Jardim Escola Nova onde estudei depois de ter saído do Napoleão de Carvalho Freire. Dois anos depois, em 1967 fui para o Ginásio Friburgo, na Rua Benjamim Constant, o bairro acho que era Campo Belo. Ia de ônibus, da viação Tânia. Mais tarde fui para o Col. Santo Agostinho, no Paraíso ia de Viação Moema. Nessa época o Metro estava em construção, na Av. Jabaquara, e o trajeto até o colégio demora uma década. Depois fui para o Santo Alberto, na Martiniano de Carvalho e ia, também, de Viação Moema. Na Av. Sto. Amaro íamos no Cine Guarujá, Cine Radar e Cine Vila Rica. Nessa época, a Pizzaria do Paulino era uma das mais famosas e costumávamos frequentar a loja da Av. Santo Amaro, em frente onde hoje tem uma Universidade e onde antes fora um Laboratório, o Mead Johnson. Quando meus avós e tios vinham de Catalão, hospedavam-se em casa e sempre nos dava um presentinho em dinheiro. Eu não perdia tempo, ía até a Casa Yara, na Santo Amaro, em frente ao Welcome e comprava o que pudesse de carrinhos Matchbox para minha coleção. Infelizmente não se pode parar o tempo, nem parar no tempo. O bonde da história tem que seguir seu curso mesmo que haja uma pedra no trilho. E o tempo foi passando, alguns prédios começaram a ser erguidos, as grandes redes de supermercado começaram a aparecer na área, veio o shopping Ibirapuera, a Normandia foi transformada em um shopping e, como diz a canção “na parede da memória essa lembrança é o quadro que dói mais”...

Escrito por Silvio Lorenzi Netto
 

7 comentários:

  1. Minha avó Maria morava na Cotovia eu adorava ficar na casa dela lá eu tinha amigos pelo bairro,lembro muito dos sobrinhos do radialista Leporace e do João da Eucaliptos

    estou sempre vendo o blog

    Tereza Cristina Verria

    ResponderExcluir
  2. Silvinho ler o seu texto me fez viajar no tempo: minhas idas à casa de vocês a princípio para algumas aulas de português e depois parar
    bater papos infindáveis com sua mãe, a Yedda.
    obrigada pelo texto: adorei
    bj grande
    mai

    ResponderExcluir
  3. marta ovando obara4/25/2011 5:22 PM

    Silvinho fiquei encantada pelo texto e mais ainda pelo contatom mesmo que tenha sido em forma de escrita.Sempre penso na Yeda com aquela elegancia e belesa que quando ainda menina ficava olhando pra ela com verdadeira admiraçao,lembro bem de voces,o Fabio, o Fernando e voce, sempre foram uns amores,educados e atenciosos.Beijocas pra todos Marta irma da Mai.

    ResponderExcluir
  4. Casa Yara era a única loja da redondeza que vendia alguns brinquedos.A loja tinha esse nome porque era o nome da filha do dono.

    ResponderExcluir
  5. Augusto Cruz6/17/2011 12:31 AM

    Meu Pai trabalhou muitos anos nas Indústrias Soares - Artefatos de Borracha na AV. Macuco nº 726, bem de esquina com a Av. Ibirapuera.
    As vezes, aos sábados, quando Ele ia fazer hora extra, pegávamos o ônibus da Extinta Viação Paratodos, linha 549 (Vila Campestre - Anhangabaú) até a Av. Jabaquara e de lá pegávamos um ônibus da Viação Moema que vinha da Pça. da Sé até o Largo de Moema.
    Bons tempos....

    ResponderExcluir
  6. AUGUSTO CRUZ
    muito obrigada pela sua participação.Bons tempos mesmo!

    ResponderExcluir
  7. OLá
    Meu pai, hoje com 93 anos, foi quem projetou as casas da Normandia e estamos tenatando lembrar em que ano isto aconteceu. Or acaso alguem sabe ? Ele diz que foi nos anos 50, entre 53 e 56, mas não temos certeza.
    SE alguem puder me passar uam informaão, agradeço.
    William James Gorham
    e-mail: arquitsp@hotmail.com
    cel: 9.9994.5884

    ResponderExcluir